Prefeito eleito afirma: serão 40 anos em quatro

Entrevista para a rádio Itabira retransmitida por redes sociais

Tão logo soube do resultado das urnas nas eleições municipais, Marco Antônio Lage, prefeito eleito de Itabira, concedeu entrevista ao vivo para a rádio Itabira. Na transmissão fez ponderações importantes sobre temas que considerou determinante para o resultado. Devido a instabilidade do sistema de apuração do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), oficialmente soube de quantos eleitores conquistou perto da segunda-feira (16), mas já na noite anterior, reuniu apoiadores que seguiram em carreata da casa do vice-prefeito eleito Marco Antônio Gomes, no bairro Santo Antônio até a praça Nelson Lima Guimarães, no Pará, quando foi recepcionado por apoiadores.

Juiz eleitoral da Comarca

“Um sentimento de vitória e de uma Itabira livre, justa e sustentável. O que pregamos desde o início na nossa pré-campanha. O itabirano está atento e entendeu perfeitamente nossa mensagem, a vontade que estava ali adormecida, foi colocada para fora durante nossas caminhadas e lives, pelas redes sociais. Havia e ainda há muito medo em Itabira, das barragens, da covid, desse governo que estava a tantos anos instalado na cidade, pautado pela falta de democracia e o medo da exaustão mineral. A proposta do Marco 40 foi exatamente de liberar Itabira dessas amarras. Agora teremos um segundo duelo pela frente. Serão 40 anos em quatro”, disse o Prefeito eleito.

Questionado sobre a candidatura registrada mediante recurso, o juiz titular da 132ª zona eleitoral Dalmo Luiz Silva Bueno, afirmou que apenas com o processo tramitado e julgado, por magistrados da segunda instância, pode inviabilizar o resultado das eleições, mas se ocorrer despacho não favorável a coligação Novo Marco, caberá novo recurso, e a posse ocorrerá dia primeiro de janeiro de 2021, sem qualquer incidente. “O resultado das urnas é soberano. Está previsto em lei e se aplica a qualquer pessoa que tem seus direitos políticos em tese, sendo observados. Pode se candidatar, fazer a campanha e se for eleito tomar posse, até que a situação seja definida. No caso a próxima instancia recursal é o TRE (Tribunal Regional Eleitoral) de Minas, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e por último o Supremo,” afirmou o magistrado.

Marco Antônio Lage construiu uma rede de apoios: o ex-prefeito João Izael, o ex-deputado Nozinho com o correligionário Gabriel Quintão, coordenador de campanha da coligação Novo Marco, e o ex-vereador Bernardo Mucida, do mesmo partido do Prefeito eleito. “Essas pessoas trouxeram mais energia, demostrando que política não é só poder econômico e político, mas também vontade das pessoas que é a soberana. Uma campanha barata contra uma milionária, de Davi contra Golias. Usamos a verdade e a criatividade. Duas vezes tive que parar, uma vez por um falso teste positivo de covid. Tomamos cuidado com da saúde pública. Enfrentamos parte da mídia manipulada e fake news,” concluiu Marco Antônio Lage.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *