HMCC dobra quantidade de leitos UTI covid. Medida pode ajudar a migrar para onda verde

Itabira está na onda amarela do programa Minas Consciente, até pelos menos, dia 29 de janeiro, quando haverá outra determinação do Comitê Extraordinário Covid-19. Um dos critérios mais importantes levados em consideração pelas autoridades públicas de saúde do Governo do Estado é a oferta de leitos covid-19. Com a ampliação inaugurada dia 26 de janeiro, no Hospital Municipal Carlos Chagas (HMCC) a chance de migrar para a onda de maior flexibilidade aumentou.  Outras ações já dotadas são: controle de acesso em prédios públicos, barreiras sanitárias, desinfecção de locais de uso comum e limitação em 50% de passageiros nos veículos de transporte coletivo.

Médico Rogério, prefeito Marco Antônio, e secretária Eliana

Apesar da nova estrutura, com mais dez leitos UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para pacientes com coronavírus, a população deve continuar se cuidando, nesse tom ocorreram os discursos no evento remoto de 15 minutos, transmitidos pelas redes sociais da Prefeitura de Itabira. “Com esses novos dez leitos não covid, os pacientes sem a doença serão atendidos nesse novo local, mantendo toda a estrutura de respiradores para as pessoas que possam vir a desenvolver sintomas mais graves da doença, em Itabira e na microrregião de 13 cidades,” disse a titular da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Eliana Horta.

O prefeito Marco Antônio Lage, não descartou lockdown. “Esse novos leitos deixam a população mais tranquila, dentro de nossa proposta de salvar vidas. E escalada da doença está sendo grande, 175% entre outubro de 2020 e janeiro de 2021. É necessário dedicação e esforço para conter essa escalada. Mas é missão de todo o itabirano manter as medidas sanitárias para evitar o lockdown. Por isso, propomos diálogo com todos os segmentos para buscar a melhor solução. A fiscalização vai aumentar em todos os setores,” disse o gestor municipal.

A estrutura foi transformada em tempo recorde, e assim como a vacinação, se tornam ferramentas para conter aumento de casos. “A imunização ainda não resolveu, por isso, como disse o prefeito, se torna necessário manter as medidas de prevenção. Os efeitos dessa vacinação, teremos apenas entre os próximos quatro a seis meses,” disse o diretor clínico do HMCC, Rogério Mansueto. O prefeito se mostrou otimista na evolução de onda. “Vamos cumprir todos os protocolos do Minas Consciente, administrar as vacinas para a volta as aulas com segurança para profissionais e alunos. Faço apelo ao itabirano para ter consciência e vencermos juntos essa guerra,” concluiu Marco Antônio Lage.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *